São Thomé das Letras

São Thomé, só vendo pra crer

Até o século XVIII, a área hoje conhecida por São Thomé das Letras abrigava aldeias indígenas que foram expulsas por bandeirantes. O município com pouco mais de 7 mil habitantes localiza-se no Sul de Minas Gerais, a 346 km de Belo Horizonte e 347 km da cidade de São Paulo e tornou-se referência internacional em turismo esotérico.

A atividade principal da cidade é extrativista, com imponente pedreira. A pouco mais de 1,4 mil metros acima do nível do mar, São Thomé é uma típica cidade serrana edificada sobre um largo depósito mineral de quartzito.

Para quem não sabe, utiliza-se esse mineral ao redor das piscinas. E são as pedras , fartamente utilizadas nas construções da cidade, que fortalecem a imagem de um destino esotérico. Igrejas, ruas, casas e até uma pirâmide foram construídas com esse material. Contudo o turismo têm uma importância irrefutável para a economia.

Embora seu centro histórico seja tombado como Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, não é a história que torna a cidade tão famosa, mas sua aura mística que atrai até 4 mil turistas em um final de semana. Diz a lenda que o fazendeiro João Francisco Junqueira- cujo escravo João Antão recebera uma carta de alforria do santo católico – é o fundador do município . Justifica-se a expressão “das letras”, por vestígios rupestres vermelhos encontrados na gruta onde o escravo liberto se deparou com o santo.

O MILAGRE? STORYTELLING

Thomé foi o discípulo de Jesus que só acreditava vendo. E só um milagre explica que a pequena cidade se tornou essa referência em turismo espiritual. Não se sabe ao certo como ela se transformou em uma referência para  esse segmento. Apesar da estória de João Antão, não houve nenhuma aparição mariana ou milagre que justificasse esse destino. Fato que ela reúne tudo o que os novaeristas adoram: pedras, grutas, cachoeiras, relatos de OVNIs e mistérios.

Há quem acredite que portais ligam São Thomé a Machu Picchu. No meio esotérico se diz que ela é um dos 7 chakras (ponto de força) do planeta. Uma possível explicação é que São Thomé se tornou um destino turístico após a década de 1960, quando artistas e comunidades alternativas lá chegaram. O artesanato, com forte influência hippie, está presente em todo o comércio local.  De forma análoga, Embu das Artes, em São Paulo, também recebeu esse público nos anos 1970 e 1980 e ainda assim, não se tornou o que é sua versão mineira.

Pousadas recebem praticamente em todos os finais de semana grupos de ufólogos, bruxos, esotéricos para vivências e rituais. Há estadas mais longas e mesmo wiccanos celebram lá seus casamentos. É comum ver pessoas vestidas como figurantes do Senhor dos Anéis, em determinados períodos do ano. Mas a filosofia élfica para por aí. Nada de lutas. Uma coisa é certa: lá as pessoas levam ao pé da letra a expressão paz e amor. Os índices de violência são baixos. As pessoas buscam experiências transformadoras. Querem sair da rotina, do estresse. Embora os jovens sejam maior parte dos turistas, a vida noturna é bem distinta das grandes capitais. Além dos bares, sempre com nomes alternativos, à noite, grupos se reúnem para observar possíveis OVNIs. Detalhe: Varginha, famosa por seu ET, fica a 50 km do município.

ESTRELA DO TURISMO MINEIRO

A saber, no ano passado, o Observatório de Turismo de Minas Gerais publicou em seu relatório que o destino mineiro mais procurado no pós-pandemia foi São Thomé das Letras. Em maio de 2021 a cidade havia recuperado o movimento de 2019.

É claro que nem todo mundo que vai a cidade acredita em extraterrestres, elementais da natureza e bruxaria. Muita gente busca o turismo ecológico e o turismo de aventura, também muito fortes na região. As cachoeiras são belíssimas e muito instagramáveis. Poucos são os turistas que não acham divertidas e curiosas as narrativas espirituais. E é aí que mora a magia do posicionamento do destino. Tudo faz parte da experiência da cidade, como almoçar no restaurante O Alquimista. Além disso, não há como fugir de cristais, camisetas com temáticas orientais e incensos para levar como recordação da viagem.

A expressão “eu não creio em bruxas, mas que elas existem, elas existem” faz todo sentido nesta parte do sul de Minas.

Tags Related
You may also like
Comments